quarta-feira, agosto 30, 2006

Ad Aeternum

Como outros vieram,
Vieste me ver hoje nesta manhã tenebrosa.
Por que não estás temerosa
Diante do futuro que a ti anuncio?

Em breve partirei
Rumo ao meu destino,
E não poderei
Estar mais contigo.

Quero lhe dizer mais uma vez
O quanto a amo,
Mas obstáculos se interpõem no meu caminho...
Por que o amor que sinto por ti
Não os corta como a espada, corta o espinho?

Pobre do meu coração apaixonado!
Bem aventurado é o amante
Que pode passar cada instante
Ao lado do seu enamorado
Eu não posso mais...

Ah... se eu pudesse contar
As alegrias que você me dá...
Levaria uma eternidade em contemplação;
Eternidade que, agora, está à minha disposição.

E.M. - Pax Optima Rerum (índice de posts dos outros contribuidores)

Embala-me em teu berço absurdo
De concreto e fumaça
Tuas samambaias nas encostas
Lembram-me a mata
Tua música singular
Teu canto caótico
Faz-me ninar
Entre carros, televisões, visões,
E máquinas.
Sou teu filho bastardo
Não desejado
Em um canto largado
Metrópole, eu chamo-te mãe,
Mas é esfinge
E não te decifro,
Devora-me.

Larissa Marques (índice de posts dos outros contribuidores)

RESPEITE OS DIREITOS AUTORAIS E A PROPRIEDADE INTELECTUALCopyright © 2006. É proibida a venda ou reprodução de qualquer parte do conteúdo deste site. Este texto está protegido por direitos autorais. A cópia não autorizada implica penalidades previstas na Lei 9.610/98.Convido você leitor, para que visite meu blog de prosa:http://www.calamidadevisceral.blogspot.com/

sexta-feira, agosto 25, 2006

Lira de Romance III - Suspirar

para minha menina,
quero suspirar em ti

suspirar contigo

ser contigo um suspiro

como um doce vento

sê tu vento ou rajada!

seja a lua ou o céu em mim

seja todo o ósculo do universo

me suspire a vida

me ilumine a lida

seja conforme forma tua Lua é

brilhante Claro farol

voando sobre os céus

nunca perdendo seu lugar

como um beijo com que me removes o ar

o respirar, somente estar em suspiros

suspirar...


Alfredo Jordy (índice de posts de Alfredo)

quarta-feira, agosto 23, 2006

Lira de Romance II - Sublime Querer


Para minha menina,
é profundo

esse querer e bem querer

ser o querido e então querer

te querer

ser, querendo

a querência de ser

de só ser contigo

e então ser...

o ser eu e você

apenas

então nós

somos novamente ser

em nós,

em mim,

em ti

e nossa história vai sendo escrita

sendo, tendo sido

querendo ser

sublime!

Alfredo Jordy (índice de posts de Alfredo)
Deixo claro o manifesto
Apologia ao que amo
Dedo médio ao que detesto
Sou bagaceira
Sou mundano
Bagaço do engano
Filho da hipocrisia
E da completa insanidade
Que se dane o engenho
A cana, a garapa,
O álcool, o açúcar, os dramas,
Sou bagaceira
Que te engana
Que fermenta
Que fede
Incomoda e reclama
Sou bagaceira
Que inflama.

Larissa Marques (índice de posts dos outros contribuidores)

segunda-feira, agosto 21, 2006

Lira de Romance I - Sentir...

para minha menina,

Saudade...


Coisas que não se dizem
Carinhos que não se falam

Só se sentem
Se beijam
Se cheiram
Se sentem!

Perfume de rosas não podem ser dissertados
Só inspirados

"Você me pegou de surpresa!"
Me agarrou pelo peito
Me levou ao teu leito
Se fez minha rosa

Teu cheiro
Intenso cheiro
Me ardeu por inteiro

Soprou em mim teu vento
Me fez sereno, intenso
Sem me entender por completo

Vi e vivi, senti...

Até agora estando sem saber como dizer
Falar...

Só mesmo,
Sentir...



Alfredo Jordy (índice de posts de Alfredo)

sexta-feira, agosto 18, 2006


Pairo sobre a cidade fria,
Concreta, solitária, vazia...
Pessoas caminham inquietas,
De olhos fechados, estúpidos...
Fecham suas asas,
Não ouvem, não pensam...
Meu grito rasga o céu,
Ecoa no silêncio...

A noite cai sobre as esquinas
Mulheres que ainda são meninas
Que se pintam, sem decência,
E com o batom, matam suas carências...
A metrópole como essas meninas
Deixa de ser fria,
Concreta, solitária,
Mesmo ainda sendo vazia...
A aura noturna,
A bebida, as luzes amarelas,
Ofuscam os desavisados,
Lascivos, permissivos,
E nocivos olhos fechados.
A aldeia e as meninas estão entregues
À exatidão, à ilusão,
Nos becos dos prazeres
Iluminados por luzes de néon.

RESPEITE OS DIREITOS AUTORAIS E A PROPRIEDADE INTELECTUALCopyright © 2006. É proibida a venda ou reprodução de qualquer parte do conteúdo deste site. Este texto está protegido por direitos autorais. A cópia não autorizada implica penalidades previstas na Lei 9.610/98.Convido você leitor, para que visite meu blog de prosa:http://www.calamidadevisceral.blogspot.com/

segunda-feira, agosto 14, 2006

Águas do Ventre do Rio de Janeiro


Deus pode até ter criado
Como espelhos do céu os mares e lagos
Mas a Baía de Guanabara Ele escolheu
Para refletir, no topo do Corcovado,
A grande imagem do filho Seu!

Talvez por isso e por sua geometria,
Semelhante a um feminino ventre
provavelmente inspirada no da Virgem Maria,
A baía é portadora dessas águas,
Para mim, tão inspiradoras...

Quero que afogue meus poros, deite-me em mim
Num fundo respirar em seu ventre inspirador
Nessa manhã ainda pouco aquecida
Onde o concreto da ponte fez-se transbordar
No céu e nesse espelho, o mar, seus tons de cinza...

Assim escuto as águas sussurando
A angústia dos beiros fortes
Que tem a sorte de belas visões da baía,
Mas não podem pecorrê-las e nem sentí-las

Elas também sussurram sobre nevoeiros,
Que ao contrário dos beiros fortes
Estão em todo o lugar e por isso,
Em lugar algum, nem em si mesmos...

E no reflexo dessa grandeza
Me vem diversas lembranças
De homens nevoeiros e outros fortalezas...

Mas tem algo que não é sussurro, é grito
Talvez vindo das águas
Ou até mesmo um eco da imagem de Cristo
"Tolo é o homem que polui a baía!"
Mas até nisso ela me inspira:
"A baía está combinando sua sujeira
Com a sujeira da alma do homem que está a sua beira!
Inclusive dessa tão familiar que agora se encara!"

E só um pensamento resta
Com o grito tornando-se flecha:
"Como essa baía no reflexo desmascara
Tão caro é encarar-se nela
Quanto tão pobre for a alma refletida...

E sendo assim que o reflexo Dele no Corcovado
Fique junto nas águas com nossos reflexos deformados
E continue me inspirando na baía
Nesses reflexos todos de todos os dias..."


Augusto Sapienza (índice de posts de Augusto)

Créditos da Imagem: NASA

Ao Seu Lado


Estou olhando para o céu.
Sabe, ás vezes faço isso.
Me distraio com sua imensidão.
Vejo estrelas,
o pôr-do-Sol
e também procuro respostas.
É o que mais tenho feito ultimamente.
Resposta para uma pergunta que não a tem.
Porque você não está aqui?
Comigo?
O que falta para a gente dar certo?
Quanto tempo caminharei sozinho nessa estrada?
Sem solução,
tento encontrar algo
que equilibre minha equação.
Algo que me dê forças.
O fato de não te ter ao meu lado
me deixa como louco.
Mas, de uma maneira estranha,
me deixa feliz.
Pois, assim, lembro de você todo o tempo.
Não apago nenhum traço de seu rosto
da minha mente.
Não esqueço seu cheiro
e até escuto sua doce voz
em meus pensamentos.
O que pode ser isso?
Sinceramenete, eu não sei.
Só sei que é o sinto por você.
E, se isso não é o bastante,
irei onde me for possível,
apenas para ficar com você.
Agora, você está distante.
Agora, eu te amo cada dia mais.

Eduardo Silva Ramos (índice de posts de Eduardo)

Praia Deserta IV


É incrível como certos hábitos
Permanecem incólumes às circunstâncias
Nesta primavera não me encontro mais tão isolado
Mas ainda sinto a solidão dos que lutam com a própria ignorância...

O Sol é hoje como um presente
O qual a maioria das pessoas se nega
Enquanto espero por essa gente
Escrevo versos nesta praia deserta

Praia dos jovens, morenos e emproados
Mais igualados que um batalhão de chineses
No vazio dos pensamentos, gestos e vocabulário
São, das maldades da vida e no tempo, eternos fregueses

Vejo a todo momento, cumprirem-se rituais rotineiros
Qual o simbolismo desse andar, nadar, surfar e bronzear-se
Se os resultados são tão frágeis e passageiros.

Me reparo e me preparo para entrar n’água
No mar que me causa tanta felicidade e agonia
Sinto que me olham, pois não cumpro os rituais
Se estou triste, me recolho e choro
Se estou alegre, sorrio em minha alegria...
Não mais aparento a torrente de emoções
Sou como os camaleões, entregue as cores da alma
Não tenho mais o controle que tinha
A velha aparência de indiferença e calma
Não tem mais sentido, consegui o que queria:
- Tornei-me indiferente incontido...

Alexandre Giannini (índice de posts dos outros contribuidores)

Créditos da imagem: www.turismomaceio.com.br

domingo, agosto 13, 2006

Inimigo Interior

O maior de todos os inimigos
está em nosso interior,
somos nós mesmos!
Este inimigo sabe das tuas fraquezas do mesmo jeito que você.
É preciso conhecer e saber lidar com este inimigo.
Não se pode destruí-lo, por que ele e você são um.
Você o destrói, e serás destruído por ele.
Tem que barganhar, usar a diplomacia.
Mas cuidado!
Ele sabe exatamente o que você pensa!
Saber domar este inimigo e a chave para se tornar um individuo melhor.

E.M. - Pax Optima Rerum (índice de posts dos outros contribuidores)

sábado, agosto 12, 2006

Poema da Indecisão

A indecisão dói
E me rasga
E me dilacera
Por dentro e por fora

Seria melhor
Se eu soubesse
Se você fica
Ou se vai embora

Será tudo destino
Ou erro passado
Ou erro presente
Que me agoniza

Ou é tudo culpa
Da sua ausência
Da sua inocência
Que se eterniza

Mas é melhor ter certeza
Seja do amor
Seja da dor
Do que viver na dúvida
da sua presença


Cristiano Mannarino (índice de posts dos outros contribuidores)

sexta-feira, agosto 11, 2006


Às vezes me olho no espelho
Como que para encarar
Meus olhos tortos
E entender que ainda sou
Aquela menina
Que tinha medo de passar
Pela Avenida da Saudade
E ouvia o lamento dos mortos
E via o desespero dos vivos
Aquela menina
Que não queria ouvir
Que não queria ver
E o que me importa
Saber das conchas
Hoje, atenho-me aos caramujos,
Que diferença faz
Ainda sou aquela menina
Que andava sem rumo
E que um dia não fugirá mais
Terá teu leito
Na Avenida da Saudade.

Agradecimentos especiais ao fotógrafo Paulo Brasil, você poderá encontrar mais trabalhos dele no endereço: http://www.flickr.com/photos/37837202@N00/
RESPEITE OS DIREITOS AUTORAIS E A PROPRIEDADE INTELECTUALCopyright © 2006. É proibida a venda ou reprodução de qualquer parte do conteúdo deste site. Este texto está protegido por direitos autorais. A cópia não autorizada implica penalidades previstas na Lei 9.610/98.Convido você leitor, para que visite meu blog de prosa: http://www.calamidadevisceral.blogspot.com/

quinta-feira, agosto 10, 2006

O Arlequim!

Lá vem o Arlequim,
Vestindo cetim,
Fazendo festim.
Até que enfim!

Lá vem o Arlequim.


Ele vem s a l t i t a n d o!


Ele vem c a m b a l e a n d o!
Wow, (rodopiando)!

Agora parou...
Será que cansou?
Não, continuou!

Lá vai o Arlequim;
Passou por mim.
C
ontinue assim,
Arlequim,
Uma alegria sem fim.

E.M. - Pax Optima Rerum (índice de posts dos outros contribuidores)

quarta-feira, agosto 09, 2006

Mas e o resto?

E o resto?
O resto é resto!
Vai de dispersar...
Pelos giros que o mundo
Insiste tem dar!

Contudo,
A retórica vale,
Resto é o que dispersa no mundo!
Isto é, o resto é tudo!


Augusto Sapienza (índice de posts de Augusto)

terça-feira, agosto 08, 2006

Lírica


Dois contos e meio de poemas
Seriam felizes dois contos e meio se não fosse a apatia
Quem sabe dois contos e meio não bastariam para pagar a alegria
Para ser o preço do tempo ante nossos trabalhos esforçosos

Dois contos e meio é o preço do acesso ao sucesso
Ao encanto de muitos pela criação de alguns
Mas dois prantos e meio não seria tão pesado assim
Para o triste fim de um começo acanhado

O fim da timidez ante as letras
Elas agora como amigas nos consoam a achar e desachar
O infinito pequeno de acanhamentos estéticos
Se expande rumo ao gosto individual

Se completa, deveras, no peito de quem lê,
De quem observa e calmamente sorve nossos breves rosários
Que falam de vidas vividas
Do que fazemos ou do que amaríamos fazer

Amamos fazer, fazendo, fraseando
Poetando, poetizando, poetificando,libertando
A Lira incomum, a lírica perseguida
Dentro de nós, do ser incontido

Aquele que grita a existir,
A conhecer a ação de tantos

Durma com um barulho destes oh mundo!

Mancebos impetuosos erguem a pena
Marchando rumo aos seus acordos com a fé
Movidos pela sede de serem ouvidos
Ante a caótica e causticante realidade

Inerrante dessa esfera mundana
Dessa bossa Luntana

Desdém de toda a amargura e dificuldade
Das incapacidades incapacitantes

Reciprocidades ululantes

Chegamos até aqui, não como errantes
Mas sim amantes dos eternos discursos d´alma.


Alfredo Jordy (índice de posts de Alfredo)

domingo, agosto 06, 2006

Rosa dos ventos

Roda, Rosa, roda
Roda (d)a minha mente
Que de cético agora não tem nada
Sem rumo.
Rosa.

Rosa sem nome, aponta
< pra lá
Que vou pra cá >
Leva teu sonho,
Que eu cuido do meu.

Rosa dos ventos
Avoada como eu.
Sem rumo é agora
O meu, era hoje.
Te ruma, segue sem medo,
do meu caminho, cuido eu.

Rosa, acorda cedo,
Não leve lembrança na mente
Não gire em círculos.
Já tem rumo certo,
Que belo rumo.
Não era o meu.

Rosa, sem medo,
Voe com seu vento.
Se foi algo que te prendeu,
já foi.
...Que belo cético eu fui...
...sem rumo...

Rosa

Marcos Vinicius Policarpo Côrtes (índice de posts do Marcos Côrtes)

Atos Sinceros



Para Anna Clara Sampaio,


Tão agradável esta madrugada...
Bach, uma cama macia
E meu peito preenchido
Pela presença da minha Rosa

O que mais se me percebe, fora o afeto,
Se chama admiração

Me admiro por aqueles olhos vivos
Que me expressam dulcíssimo senhorio,
Inundam-me com forma e graça

Ao ouvir suites tocadas à gamba
Me recordei de seus trinados
De seus sorrisos incontidos
Que me afagam, com tamanha intensidade

A cada encontro, a cada momento juntos
Encontro uma nova mulher, dona de seu destino
Que ao mesmo tempo suave menina!
Com viço e frescor de uma Primavera eterna

A noite passada foi de atos sinceros

De portas abertas.
À meia luz,
Nossas imagens foram se tornando
Cada vez mais alvas...

Como num "Loure", nossas vidas;
Calmamente descortinadas

Tal qual num óleo, surgindo a cada pincelada
Há de surgir tal formosa pintura!
Uma intensa melodia, sublime lira
De toda nossa história juntos

Pois,
Se a vida se faz do inexperado
O meu bem, o afago mais aguardado
Por tudo isso,
Se fez teu...



Alfredo Jordy (índice de posts de Alfredo)

Augusto Massa





Augusto,
não gosta
nem desgosta
nem quer resposta
(não tem perguntas)
sequer aposta na vida!
Em suas emoções frígidas
não inicia nem finda

Augusto Massa,
assina A. Massa
mas ele que é
amassado, devorado
e desvirginado
pela fome dessa vida
que regurgita-o
ardendo em azia!

Augusto
é como macararrão instantâneo:
(um modismo contemporâneo)
rápido, prático
(plástico)
e objetivo
mas nada nutritivo!
Feito na massa
da moda foda...
Uma massa cinzenta
com mídia-molho de tomate
em banho maria
de um dia
sem tempero,
sem responsabilidade,
sem visão,
só às vezes tesão,
mas sempre desespero



Augusto,
nem franzino,
nem robusto,
apenas massa
que acha graça
nas estrelas
como clitóris noturnos
para suas emoções frígidas
a serem tocadas
com suas fardas,
suas farsas
que escondem o gosto,
escondem estrelas,
escondem o Augusto Massa!

Cadê o Augusto Livre
que gosta,
que ama,
que vive?
Está amassado!
Está emassado!
Frígido em si!...





Augusto Sapienza (índice de posts de Augusto)

sábado, agosto 05, 2006

Thanatos

Eu sou o medo.
Colho das ninfas de meus amores
um pouco de satisfação.
Toco acordeões, circulo as luzes
faço sala para as mesas.

Eu não prometo.
Meu egoísmo é minha espada
minha carapuça, meu solo.
As músicas só fazem sentido assim.
O ópio de estar entre vós.

Numa grandeza de espírito,
sepulto-me, sussuro:
eu sou o deus morto,
minha poesia cálida não tem sal.
o mar não rima com meu coração.

Ação, eu não sou.
Uma contra-afirmação insistente,
algo que desistiu, mas ainda desiste.
e ainda desiste, desiste, desiste,
compulsão.


Amores quando não são ilusórios,
os mato com o tempo, deturpo com exageros,
os murcho como passas,
uma passa seca,
exarcebadamente seca.


Os campos, as pessoas e as flores,
tão poéticos como um sonho bom,
tentanto sentí-los como sentido,
não mais um inútil senso.
Eu sou o medo.



Marcos Vinicius Policarpo Côrtes (índice de posts do Marcos Côrtes)

sexta-feira, agosto 04, 2006

Vae Victus

Vae Victus!
"Sofrimento aos conquistados!"
Diz o caçador, aos caçados;
Diz o ditador, aos rebelados.
Sentenciando-os.

O mundo é uma grande ferramenta
de seleção natural.
Não há espaço aos perdedores,
só aos vencedores.
Aos perdedores resta-lhes sofrimento e escárnio.

E assim diz-se que a sociedade melhora...

Sociedade moderna, selva de pedra!
Ela é o grande predador!
Nela não há espaço para derrotas.
Nesta selva de pedra,
só os vencedores têm espaço ao sol.
Aos perdedores resta-lhes viver na sombra dos vencedores,
e alguns jamais transpõem esta sombra,
algumas intransponíveis.

Se és vencedor hoje, aproveite!
Vitórias vêm e vão
hoje estás no topo, amanhã de volta ao chão.
Vitória é um enfeite
hoje a sua está na moda, amanhã não.

A dor da derrota,
antes fosse física
Raiva, arrependimento, questionamentos
São os únicos sentimentos.

Vae Victus
Ai dos vencidos!

E.M. - Pax Optima Rerum (índice de posts dos outros contribuidores)

quinta-feira, agosto 03, 2006

O centro que me tira do eixo

Por que você fica mais à esquerda
Do meu, por ti, já pequeno peito
Se você vira o centro do meu ser
Nos receados ou ávidos momentos?

Talvez por isso que na glória ou perda,
No sol a pino ou no meu leito,
Você tire esse ser torto do seu eixo,
Já que você pesa mais nesses momentos

Tais onde emaranha-se denso!

E sendo um fadado centro,

Mas não estar, em mim, centralizado,
Tira-me o eixo e me e se contraria...
Rompendo-nos, nos ligeiros giros,
Nessas revoluções em forma de dias...



José Augusto Sapienza Ramos (índice de posts de José)

Créditos da imagem: http://www.sergiocaredda.com/

quarta-feira, agosto 02, 2006

Poema para o dia 30 de julho de 2006


Pensei nos filhos de Cana
O vilarejo onde contam uma lenda
Que a água virou vinho, há tempos atrás.

Hoje, crianças viram sangue e massa disforme.

Por Deus!
Dor, adeus,
Ah, Deus, dor!
Ah, deusa dor,
Adeus.

Larissa Marques (índice de posts dos outros contribuidores)

Agradecimentos especiais ao fotógrafo Paulo Brasil, você poderá encontrar mais trabalhos dele no endereço:http://www.flickr.com/photos/37837202@N00/
RESPEITE OS DIREITOS AUTORAIS E A PROPRIEDADE INTELECTUALCopyright © 2006. É proibida a venda ou reprodução de qualquer parte do conteúdo deste site. Este texto está protegido por direitos autorais. A cópia não autorizada implica penalidades previstas na Lei 9.610/98.

Trova do Amor Social


Maio de 2006,


mas deixa rolar então

sei lá, quem sabe você não conhece melhor a pessoa?

eu fui apressadinho e acabei comendo cru!


como isso é complicado

por que é tão complicado a gente se permitir ser feliz!?

acho que a gente espera tudo no máximo

as coisas como nos sonhos, nos filmes

não somos muito dados a querer construir algo

parece que queremos o êxtase do momento,

nem é tanto o relacionamento que queremos.

e vivem tantos de êxtase em êxtase que nem se importam com sentimento

e vão levando a vida assim até cansar

parece que queremos um produto que nos garanta felicidade eterna e garantida

algo com garantia de devolução! Não gostou devolve

não precisa se machucar com isso, afinal foi só uma transação, não há sentimento empregado

Arre Égua!

_________________________________________________
crédito das imagens: http://www.photoportale.de/cubamiamor/information_reisen.htm


Alfredo Jordy (índice de posts de Alfredo)

terça-feira, agosto 01, 2006

Rubro Crepúsculo


Sentado na sala das muitas idades
Com a janela da alma para oeste
Um belo crepúsculo acontece
Trazendo às mãos inúmeras verdades

O astro não mais me aquece
O corpo esfria junto da noite
E a mesma nos olhos me escurece
Com branco da lua tomando a pele

E cerro minhas janelas da c'alma
Fitando o forte esplendor rubro,
Chama final do meu próprio crepúsculo,
Um esplendor de todo o meu amor

E nessa nova noite nada breve
De duas luas de Ismália, o fogo pereceu
E o corpo é uma branca e fria neve
Mas o sopro da vida paira como uma pluma leve...

José Augusto Sapienza Ramos (índice de posts de José)

Ventos Latinos



Para Anna Clara Sampaio,


"Te quiero" minha Clara
E nada do que é improvável nessa vida
Vai poder mudar isso em mim

Estando a distância a nos desajudar
A ser fiel depositária de todas nossas saudades
Dona dum inefável momento sempre a ser aguardado

Minha Clara senhora, perdão pelas minhas falas
De amante latino, de menino latino-americano
Mas, deveras, tu me conquistas com teus brios

Sabe quando repouso de todas as horas do dia?
Quando lembro de uma de tuas falas...
Algum sorriso teu, solto pelo ar, que em mim fez morada...

Como se me parece bem todo esse teu explendor
Feito régia rainha de instantes divinos
Eles o são assim! Basta constar tua presença...

"Te quiero, te quiero mucho"
Es toda la verdad, yo ya no puedo quedarme
Sin decir las cosas mas importantes que son

La ternura, mismo nosotros tiendo endurecido, no perdiendola
Entonces, tengo ahora que oir usted hablando
Para no olvidarme de tus dulces palabras, todas ellas caras a mi

Felizes os homens que encontram tais mulheres
Avassaladoras em tudo o que fazem, marcantes
Firmes e suaves sem demora, cheias de ternura

Nem que ouça Romance a noite toda, espero
Só para te escrever com veemência tudo o que me vem
Todas as minhas simples certezas sobre ti

Sobre os "versos do dia", sobre o amor de duas vidas
Estas que se completam um com o outro
Sem deixarem suas essências, o que os fundamenta

Apenas se completam. E já é o todo esta parte
Não é em parte apenas, mas a completude
A possibilidade de um pleno acerto

"Sempre percorrido, nem sempre sentido"
Construído em meio ao caminho, em desatavios
Por sublimes noções temporais e imemoriais

Sem referências manifestas
Somente Claras direções,
De uma doce e serena Rosa...

Dos ventos, senhora!
De meus pensamentos
Das minhas memórias...


__________________________
créditos da imagem: http://www.marcolla.it/

Alfredo Jordy (índice de posts de Alfredo)