domingo, outubro 28, 2007

no oceano

Quem está na tormenta
Perde-se na tempestade
Atrás das ondas que enfrenta,
não há motivo, não há saudade.

No marinheiro de primeira viagem,
há uma cobiça de si.
Navegar é preciso,
viver, não é preciso.

Porém, quando a nau afunda,
sucumbe um corpo disforme.
O tesouro da terra firme,
não tem reflexo na água escura.

E quanto a alma que sobra,
se funde ao oceano, de nada.
No oceano, ele é tudo que resta.
E o que resta é do que se é feito.

E tudo perde sentido.

Nesse sal que seca por dentro,
há um denso céu no outro.
julgar as pessoas é fácil,
entendê-las, não é.

3 comentários:

Larissa Marques disse...

Lindo, seu sal, seu oceano. Preciso falar com você sobre o Manufatura, quando puder, mande-me um e-mail.

Carlos Rímolo disse...

José Augusto,
Seu texto é interessante e bonito, mas, no meu humilde julgamento, acho que ficou inacabado, faltou algo para completar o Poema.
De qualquer forma, meus parabéns pela técnica e sensibilidade!
Carlos Rímolo-Macaé-RJ-30/04/2008.
Visite meu Blog e veja meus trabalhos:
www.carlosrimolo.blogspot.com
Email: carlos.rimolo@gmail.com

Marcos Côrtes disse...

Eu fiquei trabalhando neste texto acho que uma semana. Algo que é muito para mim... (não querendo dizer que sou "tão bom" em escrever, mas normalmente não trabalho em um texto por mais de 2 dias).

Porém ainda o vejo inacabado. O real sentido que queria transpor não foi alcançado... (tentem descobrir : P)

Talvez um texto "no oceano 2" precise ser feito : P